11 Março 2019

Lançamento da Volkswagen mostra conjunto bem acertado e nível de sofisticação acima da média do segmento de SUVs compactos

O novo VW T-Cross ainda está em pré-venda, mas já enfrenta o primeiro rival que apareceu na redação de iG Carros, o Jeep Renegade. Nesse primeiro momento, não tivemos como escolher as versões do comparativo. Mas, por coincidência, nos deparamos com duas que têm quase o mesmo preço: a Highline, com todos os opcionais, do T-Cross (R$ 126.490) e a Longitude, a diesel ,do Renegade (R$ 125.4900). Mais uma vez, ficou claro que é importante saber bem qual versão escolher na hora de levar um carro para casa. O VW T-Cross demonstrou ter várias qualidades, mas a totalmente equipada não é a que mais vale a pena. Vem com som de alta-fidelidade da Beats, sistema que faz baliza sozinho na hora de estacionar, teto solar panorâmico, entre outros itens que encarecem o preço e não fazem parte do que realmente chama atenção no carro.

O que se destaca mesmo no VW é o bom acerto não apenas da parte estrutural, mas também do conjunto mecânico. Não é à toa que a marca alemã resolveu deixar de produzir as versões 1.0 e 1.4 turbo do Golf, que agora terá apenas o esportivo GTI. O T-Cross consegue manter a mesma pegada de um hatch médio tanto nas curvas quanto em retas, sempre transmitindo segurança.  No Renegade Longitude a diesel o ajuste não favorece tanto quem gosta de dirigir, uma vez que tem centro de gravidade mais alto e maior área frontal corrigida (0,95 m2 ante 0,84 m2 do T-Cross). Em contrapartida, o motor turbodiesel garante um ganho de força mais linear, partindo das primeiras marcações do contagiros. São nada despresíveis 35,7 kgfm a 1.750 rpm, ante 25,5 a 1.500 rpm do T-Cross.

Entretanto, o Volkswagen consegue acelerar de 0 a 100 km/h mais rápido (8,7 segundos contra 9,9 s do Renegade) e ganhar mais velocidade (198 km/h ante 190 km/h do Jeep). Outra vantagem do T-Cross é que conseguiram aliar boa estabilidade com valentia em enfrentar obstáculos urbanos pelo caminho, como valetas e lombadas. Portanto, atingiram o melhor de dois mundos no VW, que pode vir com rodas de aro 17 montadas em pneus 205/55R 17 ante 225/55R 18 do Jeep. 

Claro que o nível de conforto no VW T-Cross também é maior por uma série de fatores. Já começa com o ruído menor do motor 1.4 turbo flex na comparação com o 2.0 turbodiesel. Depois, por causa da suspensão do VW, que consegue absorver as irregularidades do piso um pouco melhor que o Jeep, que sempre foi conhecido por ter um bom ajuste mas que agora é superado pelo T-Cross.

Com motor turbodiesel e tanque maior (60 l ante 52 l do VW), o Renegade poderia ter a vantagem de ter mais autonomia na estrada, mas ambos se equivalem. O Jeep pode chegar a 690 km, teoricamente, levando em conta os 11,5 km/l divulgados pelo Inmetro. No VW T-Cross, com gasolina, chega-se a 686 km, considerando os 13,2 km/l de consumo rodoviário. Na cidade, se for usar o derivado do petróleo, o T-Cross gasta menos (11 km/l, ante 9,4 km/l do Renegade).

No quesito ergonomia, o VW T-Cross passa a dar outra prova de que veio para estabelecer novos padrões no segmento de SUVs compactos .  Na versão avaliada, o carro veio com cluster digital e configurável, central multimídia de última geração com tela de alta resolução e fácil de ser usada, alavanca de câmbio em que as marchas aparecem no topo, facilitando a visualização, mesmo à noite. O que destoa do conjunto é a alavanca do freio de estacionamento convencional no lugar do botão eletrônico, como no Renegade. 

No Jeep foi mantido o mesmo volante com 18 botões, inclusive atrás do aro, o que o torna um pouco confuso de ser usado. Além disso, a central multimídia não é tão intuitiva de ser usada quando a do T-Cross e o do Renegade interior continua quase o mesmo desde o lançamento, há quatro anos.  Contudo, há pontos interessantes, como o porta-objetos debaixo do assento dianteiro do passageiro e os easter eggs no cantos do para-brisa.

Quando o assunto é espaço interno, há algumas ressalvas em ambos os SUVs. No VW T-Cross, quem vai sentado no centro do banco traseiro fica incomodado pelo assento um pouco mais alto e pela parte do console central que pode esbarrar nos joelhos. No Renegade, há um pouco mais de conforto para quem vai atrás. E falta área de carga no porta-malas nos dois:  320 litros no Jeep e 373 no VW, ligeiramente maior, mas abaixo do ideal.

E no capítulo equipamentos dos dois utilitários esportivos vale destacar que os dois contam com ancoratem ISOFIX para cadeiras infantis, ar-condicionado digital, revestimento de couro no interior, conexão USB na frente e atrás, retrovisor fotocrômico, câmera de ré, sensores nos para-choques para ajudar nas manobras, entre outros itens. O VW T-Cross se diferencia pelos itens ligados à parte dinâmica, como a vetorização de torque, que ajuda na estabilidade nas curvas, além de equipamentos sofisticados oferecidos como opcional.

Eficiente, moderno e com dirigibilidade de hatch médio, o VW T-Cross ainda se destaca pelos itens sofisticados com os quais pode vir equipado.  Demorou para chegar ao segmento de SUVs compactos, mas é a referência a ser seguida daqui  em diante. E o Renegade se destaca por ser único a poder ter a combinação de motor a diesel com tração integral, indicado para quem vai mesmo pegar trechos de terra e precisar de bastante força no dia a dia.